JURA EM PROSA E VERSO

EDUCAÇÃO – MORAL E CIVISMO

 

Desenho Animado!

José Alconso da Silva Filho

 

Dizem, poucos e muitos apressados, que assistir Desenho Animado é ilusão útil como um “tiro de bola de papel”, que ilude pelo fato de poder alguém, por tal pelota, vir a ser alvejado.

E que o cabra que inventou tais riscados, que se mexem, deve ter sido um sem juízo, que, num desarranjo de imaginação, acelerou desenhos de “histórias em quadrinhos” com sequência de posição, a criar a percepção de movimento, fazendo nascer, assim, pretendida animação.

Pensamento discordante e dissonante, com a importância dos Desenhos Animados, que em tramas desenhados e de forma cinematográfica animados, deleitam-se pessoas de pouca e muitas idades, especialmente as crianças, que atêm-se a observar, envolventes estórias e histórias, “encenadas em desenhos em movimentos”, onde, quase sempre, um espertinho ou um malvado, termina por receber alguma lição, por algum desatino praticado.

Assim, pode-se ver em telespectadores, satisfação a permear, com finais engraçados, onde, amigos e não amigos, abraçam e são abraçados.

De origem se tem notícia, que um tal de Émile Reynaud, em 1888, através dos aparelhos Theâtre Optique (Teatro Ótico) e praxinoscope (praxinoscópio), que empregara, fez remexe mexe de desenho em quadrinhos, numa película perfurada, fazendo surgir a animação pretendida, que mudou pra todo sempre, a história da sua vida. Do ilustre francês, professor de ciência, até os nossos dias, a comprovação de que, “desenho com animação”, é arte que envolve artes, onde a produção, motiva e convida, a genialidade de “escritores, desenhistas, arte finalistas, roteiristas, tradutores e mais uma leva de profissionais, que, em sintonia e sincronicidade, maravilhas fazem chegar, aos de “puro coração – as crianças” – e todos mais, que, com a essência da “sétima arte” (o cinema), se permitem deslumbrar. “A todos, que de “jogo de bola de papel” a importância do desenho animado comparar, fustigo a se permitir ao imaginar, ou mesmo, a vivenciar, ao lado de uma criança, se fazer estar, pra assistir o desenho animado, que ela indicar.

Verá o quão maravilhoso é o mundo, a partir de tais percepções, onde a inocência é cativada, na expertise de profissionais e suas tramas sensacionais.

A tanto, convida-se a exaltação de desenhos como: “MandaChuva e sua turma - (Bacana, Espeto, Batatinha, Gênio e Chuchu)”, que, nas “trapaças” pra se dar bem, terminam por convidar a ação do Guarda Belo, que tenta, sem êxito, expulsá-los do beco. Lugar onde moram.

E “Os Flintstones”, com o mundo de pedra de Fred e Barney. Onde além de tacadas perfeitas em jogo de boliche, e atuação como membro da confraria dos Búfalos d'Água, o Fred, entre tartarugas, dinossauros e ratos gigantes, vive sob atenção de Wilma – sua esposa, e as peripécias de Pedrita – sua filha.

Em entrelaces de acontecimentos, numa era paleontológica, com a família do Barney, sua esposa Betty Rubble e Bam-Bam – seu filho adotivo. Como estes dois exemplos, poderíamos aqui fazer citações de dezenas de desenhos animados; verdadeiras obras audiovisuais, que jamais serão esquecidas, e que, certamente, estão na lembrança de adultos, e sob a atenção de público de todas idades. Inclusive com especificidade e indicação de idade. A tudo, o exaltar de que, ainda que a tecnologia favoreça, o talento do “artista criador”, do desenhista, sempre, lá, estará.

A esses, convida-se fazer deferência ao desenhista (designer) baiano Tiago Nunes Genuíno, pelo seu diferenciado talento na criação de artes gráficas e animes.

De tudo há de se considerar que, além de todo arcabouço de cultura e arte, oferecido àqueles que assistem um Desenho Animado, está a ocorrer, na maioria das obras, o sutil ensinamento, ainda que pelo autor não pretendido, que, de uma forma ou de outra, no final, o bom e o bem, sempre vencem o o ruim e mal. Desenho animado é cultura!

É arte genuína!

 

Autor: José Alconso da Silva Filho Cad. 24 da Amalba Ilustrações: Extraídas no google Teatro Óptico”: “É uma aplicação óptica desenvolvida por Émile Reynaud e patenteada em 1888, baseada no praxinoscópio que permite oferecer um espetáculo a partir da projeção de desenhos animados, com duração de seis a quinze minutos”. Praxinoscópio é um aparelho que projeta em uma tela imagens desenhadas sobre fitas transparentes, inventado pelo francês Émile Reynaud (1877).” Anime - “Anime ou animê (como é dito no Brasil) é o nome dado para todo tipo de desenho animado.” Dedico este artigo aos meus netos, especialmente à minha netinha “Stela Alconso Camargo (4 anos), que, não muito raro, aos domingos à tarde, convida-me pra assistir desenho animado, que ela escolhe na “grade infantil” da Netflix. Momento impar! E logo se observa, que uma plateia ao redor de Stela se forma”